Solda Brasil na Mídia (2)

O Solda Brasil 2011 obteve bastante resposta da mídia especializada e nas propriedades das instituições do setor.

Você pode conferir alguns exemplos abaixo:

Além disso, a apresentação em primeira mão do estudo do professor Adilson de Oliveira, do Colégio de Altos Estudos da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), sobre a Capacidade de Produção da Indústria Nacional para o Setor de Petróleo e Gás, foi amplamente divulgada pela grande mídia, veja alguns exemplos:

Pesquisa conclui que falta tecnologia e mão de obra para suprir a indústria nacional

Relatório final do estudo “Necessidade de Adequação do Parque Supridor Nacional” elaborado pela Petrobras, BNDES e UFRJ vai ser apresentado durante o Seminário “Solda, Brasil”

 A capacidade de produção nacional não é suficiente para suprir as indústrias brasileiras. O diagnóstico preocupante é resultado de um estudo que acaba de ser finalizado e teve como base entrevistas em 100 empresas. Outro grave problema apontado é a falta de mão-de-obra de bom nível técnico. A conclusão é do estudo “Necessidade de Adequação do Parque Supridor Nacional”, realizado pela Petrobras, BNDES e pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, no âmbito do Prominp (Programa de Mobilização da Indústria Nacional de Petróleo e Gás).

Os resultados e conclusões do trabalho vai ser apresentado pelo professor Adilson Oliveira, coordenador do projeto, durante palestra no seminário “Solda Brasil 2011 – Seminário Nacional de Tecnologia e Mercado de Soldagem, que acontece nos próximos dias 30 e 31, no Centro Empresarial Rio, de 9h às 18hs. Oliveira, que é professor do Instituto de Economia e do Colégio Brasileiro de Altos Estudos da UFRJ, é especialista em economia do desenvolvimento, com doutorado em Grenoble e pós-doutorado em Sussex. Ele aponta a capacidade de produção nacional e a falta de mão-de-obra como os dois principais entraves ao crescimento da indústria de petróleo e Gás.

O economista alertou que é grande a necessidade hoje de se investir em pesquisa e desenvolvimento, e que o financiamento oferecido pelo FINEP é o início que se espera da mudança. A instituição está oferecendo R$ 100 milhões para centros de pesquisa e universidades se capacitarem e para facilitar a articulação das empresas neste sentido. A escolha das empresas contempladas deve ser divulgada nas próximas semanas. “Essa deve ser a ponta do iceberg. A partir daí, outros investimentos surgirão. Os ganhos são óbvios. As empresas devem somar outros R$ 100 milhões. Precisamos ser otimistas”, afirma o especialista.

A recente divulgação das medidas de ajuste fiscal por parte do Governo Federal  decepcionou o setor de petróleo e gás, que não foi incluído no lote. Para ele, as ações do governo são muito tímidas e ainda não há como resolver os problemas apontados no estudo. Como há certo consenso em relação a estes problemas, ele acredita que a maior articulação com centros de pesquisas e universidades para capacitar as empresas a inovar pode ser uma luz no fim do túnel. “Acredito que os investimentos P&D podem nos ajudar em dois ou três anos a sermos mais competitivos”, revela.

Confira a programação do evento:

Dia 30

Dia 31

> Saiba como se inscrever.

 

FBTS aponta soluções para reduzir carência de profissionais no mercado de soldagem

Palestra sobre formação de mão de obra aborda iniciativas para reduzir o problema. Centro de Excelência em Soldagem baseado no modelo da Gerência de Desenvolvimento de Sistemas de Práticas de Gestão da Petrobras ajuda a alavancar indústria brasileira de construção onshore e offshore

Atualmente, todos os produtos utilizados pelo Setor de Abastecimento e Refino da Petrobras são certificados pela Fundação Brasileira de Tecnologia da Soldagem (FBTS). Isso já ocorre também com parte dos materiais utilizados nas áreas de E&P (Exploração e Produção) e de Engenharia da Empresa. Desde 1997, a FBTS é um dos órgãos acreditados pelo Inmetro para emitir a certificação desses consumíveis, sejam eles eletrodos, arames ou varetas. Atualmente, todas as grandes fabricantes de consumíveis no Brasil têm seus produtos certificados pela FBTS. No total, são 25 empresas, sendo 14 nacionais e 11 estrangeiras, de países como Estados Unidos, China, Coréia do Sul e Japão, contabilizando 265 produtos.

Criada há 28 anos pela Petrobras junto com instituições como a ABEMI, ABDIB, SINAVAL, FIRJAN, Grupo Gerdau, ABENDI, Simme e Light, a FBTS vem tomado a frente de diversas iniciativas para ajudar a indústria brasileira a enfrentar os seus atuais desafios. Esse vai ser o tema da palestra que o Superintendente Executivo do Departamento de Cursos e Desenvolvimento Tecnológico da Fundação, Marcelo Maciel Pereira, vai fazer durante o Seminário “Solda Brasil 2011 – Seminário Nacional de Tecnologia e Mercado de Soldagem”, que acontece nos próximos dias 30 e 31, no Centro Empresarial Rio, de 9h às 18hs.

Um exemplo da ação da FBTS citada por ele em prol do desenvolvimento da cadeia da indústria que o superintendente da entidade cita é a criação do Centro de Excelência em Soldagem (CES) pela FBTS, através do modelo de Centros e Redes de Excelência da Coppe-UFRJ e da Gerência de Desenvolvimento de Sistemas de Práticas de Gestão da Petrobras. “O CES é um conjunto de recursos físicos, humanos, financeiros, de conhecimentos, tecnologias e metodologias próprias e de parceiros estratégicos que, reunidos por iniciativa de suas lideranças, buscam alcançar e manter a supremacia em um campo escolhido, a valorização contínua e sustentada dos elos da rede formada e a transformação dos recursos em produtos, processos ou serviços inovativos”, resume Marcelo Pereira.

            A motivação para a criação do CES foi alavancar a indústria brasileira de construção onshore e offshore, tendo como instrumento básico a capacitação, a automação e a inovação tecnológica e de gestão de forma sustentável e competitiva. Já foram realizados três projetos estruturantes: capacitar a FBTS com instalações laboratoriais, credenciá-la junto aos órgãos específicos de financiamentos de projetos de P&D e definir uma metodologia de identificação de carteira de projetos inovadores.

Com apoio de diversas entidades que atuam no segmento da soldagem, e da engenharia industrial, tais como ABCE, ABECE, ABEMI, ABENDI, ABITAN, ABRAPET, ABS, CREA-SP, FBTS, FNE, SINAENCO, SINDNAVAL/AM e SINDUSCON-RIO, o “Solda, Brasil 2011” vai discutir e mostrar experiências, processos, novas tecnologias e soluções que venham aprimorar os projetos das principais empresas brasileiras, públicas e privadas, especialmente na cadeia de petróleo e gás.

Confira a programação do evento:

Dia 30

Dia 31

> Saiba como se inscrever.

Tecnologia melhora o desempenho e torna equipamentos de soldagem mais eficientes

Precisão, produtividade e economia são alguns fatores cada vez mais necessários no setor de soldagem. Para avançar nessa direção, as empresas fabricantes de materiais e equipamentos vêm incorporando novas e modernas “tecnologias”, desenvolvidas no Brasil ou trazidas do exterior, que têm sido responsáveis por uma evolução tão abrangente no maquinário usado pelas indústrias que já provoca mudanças não apenas na construção dos equipamentos, mas também nas demandas das empresas que os utilizam.

Atualmente é crescente a busca por equipamentos com grande tecnologia embarcada que proporcionam maior controle sobre o processo de soldagem. Além do controle, fatores como redução do consumo de energia, ergonomia e menor dimensão física foram grandes motivadores para a implantação de uma tecnologia tão avançada nessas máquinas. Segundo especialistas, o mercado tem buscado mais valor do que preço e, mais ainda, tem reconhecido as soluções apresentadas que focam nos benefícios dos produtos, tais como as fontes inversoras, que oferecem qualidade e integridade nas soldas, utilizando menos energia.

Para os técnicos, o grande desafio dos próximos anos será o desenvolvimento e aperfeiçoamento da mão de obra utilizada nos processos de soldagem, trabalho este que deverá ser feito em conjunto por escolas técnicas, universidades e entidades como a própria Fundação Brasileira de Tecnologia da Soldagem (FBTS), SENAI, SEQUI/PETROBRAS e outras, de maneira que todos reconheçam e utilizem estes processos de soldagem com todos os benefícios que apresentam e não somente pelos preços que são oferecidos.

A disponibilidade de mão de obra especializada e a capacidade da cadeia da indústria em absorver estas e outras tecnologias que vêm sendo desenvolvidas para o mercado de soldagem para melhorar a produtividade do setor estarão no centro dos debates do Seminário “Solda, Brasil”, que será realizado nos dias 30 e 31 de Agosto próximo, no Centro Empresarial Rio, no Rio de Janeiro. Idealizado pela Planeja & Informa Comunicação e Marketing, com apoio de diversas entidades que atuam no segmento da soldagem, e da engenharia industrial, tais como a Associação Brasileira de Engenharia Industrial (ABEMI), Associação Brasileira de Consultores de Engenharia (ABCE) e CREA-SP, o evento vai discutir e mostrar experiências, processos, novas tecnologias e soluções que venham contribuir para aprimorar os projetos das principais empresas brasileiras, públicas e privadas, especialmente na cadeia de petróleo e gás, indústria naval, siderurgia etc.

A proposta do Seminário “Solda, Brasil” é promover um grande debate técnico, prático e objetivo, que possa reunir as empresas executoras dos projetos, os empreendedores, fornecedores de materiais e equipamentos e o meio científico, para agregar o componente “desenvolvimento tecnológico” em toda a discussão em torno do mercado e das perspectivas do setor de soldagem no Brasil. 

>> Clique aqui e saiba tudo sobre o evento.

Setor de Solda pode receber mais de 20% dos investimentos da Petrobras até 2014


As possibilidades de investimentos e oportunidades de negócios para a indústria nacional vêm se multiplicando com os avanços do setor de petróleo e gás, liderados pela Petrobras.

No Plano de Negócios 2010-2014 da empresa, divulgado no ano passado, foram previstos investimentos de cerca de US$ 224 bilhões. Para além desse alto valor aplicado no setor e das possibilidades que se anunciam com os campos no pré-sal, ainda vislumbramos programas como o de construção de navios da Transpetro, a expansão do setor energético nuclear e elétrico, os incentivos à infraestrutura nacional trazidos pelo Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), além de muitas outras iniciativas privadas. Toda essa movimentação leva ao desenvolvimento da cadeia industrial brasileira que precisará se adequar a novos rigores e procedimentos voltados para a segurança, meio ambiente e saúde, para a redução dos custos, com ganhos em produtividade e qualidade.

Estima-se que o setor de solda receberá destaque com pelo menos 20% dos investimentos anunciados pela Petrobras e, com isso, precisará buscar a inovação em processos e produtos, além da certificação de empresas. Buscando atender a necessidade do mercado oferecendo informação de qualidade, a Planeja & Informa realizará no Rio de Janeiro, nos dias 30 e 31 de Agosto, o “Solda Brasil 2011 – Seminário Nacional de Tecnologia e Mercado da Soldagem”.

A proposta é realizar um grande debate técnico, prático e objetivo, que possa reunir as empresas executoras dos projetos, os empreendedores e o meio científico, para agregar o componente “desenvolvimento tecnológico” em toda a discussão em torno do mercado e das perspectivas do setor de soldagem no Brasil.

Veja abaixo alguns dos painéis a serem apresentados no “Solda Brasil 2011”:

  •  Os Desafios do Pré-Sal
  • Demandas Tecnológicas do Pré-Sal
  • Certificação de Equipamentos e Consumíveis de Soldagem
  • Demandas Tecnológicas da Indústria Naval
  • Perspectivas da Engenharia Industrial no Brasil
  • Mercado e Capacitação da Empresa Nacional
  • Sistemas de soldagem automatizada
  • Tecnologias em dutos marítimos e terrestres
  • Soluções Tecnológicas em sistemas de soldagem automatizadas
  • Novos investimentos na infraestrutura para Copa e Olimpíadas
  • Formação e capacitação de mão de obra

PATROCÍNIO

AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA

AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA

AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA

AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA

AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA

AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA

APOIO INSTITUCIONAL

AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA

AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA

AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA

AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA

AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA

AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA

AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA

AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA

AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA

AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA

AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA

AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA

AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA

AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA

AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA

AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA

AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA

AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA

AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA

AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA

AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA

AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA

AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA

AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA

AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA

AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA

AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA

AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA

AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA

AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA

AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA

AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA

AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA

APOIOS DE MÍDIA

AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA

AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA

AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA

AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA

AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA

aaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa

aaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa

AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA

AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA

AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA

AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA

AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA

AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA

AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA

AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA

AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA

QUEM DEVE PARTICIPAR

Empresas executoras, representantes dos diversos setores da engenharia, “especialistas”, projetistas, governo, academia, instituições de pesquisa e empresas de Engenharia Industrial, fabricantes de consumíveis, máquinas e equipamentos de soldagem, além de entidades profissionais e empresariais de classe, instituições formadoras de mão-de-obra.

INFORMAÇÕES GERAIS

Taxa de Inscrição:

PERÍODO

VALORES

08/07 a 10/08

R$ 350,00

11/08 a 28/08

R$ 400,00

29/08 a 31/08

R$ 500,00

Desconto de 20% a partir de 3 inscrições

Data: 30 e 31 de Agosto de 2011

Local: Centro Empresarial Rio – Rio de Janeiro

Metodologia: A programação do workshop será apresentada através de palestras e painéis.

Número de participantes: Vagas limitadas para 100 participantes.

>> Veja a programação:

30 de Agosto

31 de Agosto

>> Saiba como se inscrever aqui.